Depois da notícia de que Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos pode ganhar uma sequência para o mercado chinês (leia aqui), o diretor Duncan Jones confessou que retornaria para uma continuação caso o estúdio lhe convidasse, apesar do resultado um pouco decepcionante do primeiro filme.

Em entrevista à Thrilllist, Jones confessou que adoraria explorar mais o universo. “Eu acho que já fizemos o trabalho mais duro no primeiro filme, já estabelecemos o universo. Eu adoraria voltar e me apoiar nos três anos e meio de trabalho duro que tivemos com o primeiro filme para me divertir um pouco dessa vez. Então quem sabe? Talvez eu esteja sendo meio masoquista”, comentou.

“Eu me sinto igualmente muito orgulhoso e muito furioso quando penso em Warcraft. Eu amo o filme. Eu passei tanto tempo trabalhando nele, coloquei todo o meu coração em tentar fazê-lo funcionar. Várias partes dele, eu acho, funcionam, mas ao mesmo tempo isso me deixa louco porque sei que não consegui fazer tudo o que queria para o filme ser o melhor possível”, concluiu.


“O sucesso do filme na China assustou Hollywood”, diz Jackie Chan

Baseado no universo de jogos World of Warcraft, o filme acompanha o conflito gerado pelo primeiro contato entre orcs e humanos, mostrando os dois lados da história. De um lado está Anduin Lothar (Travis Fimmel), o personagem principal da Aliança, que sacrificou tudo para manter salvo o povo de Azeroth, e do outro Durotan (Toby Kebbel), o principal personagem da Horda, nobre chefe do clã Frostwolf, que batalha para salvar seu povo e sua família da extinção.

Crítica | Warcraft – O Primeiro Encontro de Dois Mundos

Os segredos e curiosidades de Warcraft

A direção ficou a cargo de Duncan Jones.