Rogue One | Roteiristas comparam Trump com o Império em tuítes de protesto

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Chris Weitz e Gary Whitta, dois dos roteiristas de Rogue One: Uma História Star Wars, usaram metáforas do filme para protestar contra a vitória de Donald Trump na eleição à presidência dos EUA.

“Por favor, note que o Império é uma organização de supremacia branca (e humana)”, escreveu Weitz, ecoando o fato de que Trump foi apoiado por uma organização do mesmo tipo na sua campanh (a Ku Klux Klan).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Cuja oposição é um grupo multicultural liderado por mulheres corajosas”, respondeu Whitta, se referindo à Aliança Rebelde.

A cereja no bolo veio de Weitz, quando tuitou um símbolo dos rebeldes e escreveu: “Star Wars contra o ódio. Espalhem”.

Rogue One tem “personagens mais realistas”, diz chefe de efeitos especiais da saga

Felicity Jones (A Teoria de Tudo) vive a protagonista, uma soldado da Resistência. Riz Ahmed (O Abutre), Ben Mendelsohn (Bloodline), Jonathan Aris (da série Sherlock), Diego Luna, Jiang Wen, Forest Whitaker, Mads Mikkelsen e Alan Tudyk também estão no elenco.

Além de Darth Vader, Rogue One pode contar com participações de Boba Fett e outros caçadores de recompensa, como Bossk, Dengar, Zuckuss, 4LOM e IG-88. Por enquanto, as informações são tratadas como rumores.

Com roteiro de Chris Weitz (Cinderela) e direção de Gareth Edwards (Godzilla), Rogue One – Uma História Star Wars estreia em 16 de dezembro deste ano, preparando terreno para a estreia de Star Wars: Episódio 8 em 2017.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio