O IndieWire revelou a cifra estrondosa que a Netflix desembolsou para bancar o novo filme de Martin Scorsese, The Irishman: US$ 105 milhões (aproximadamente 327 milhões de reais).

A Paramount havia vendido os direitos internacionais do longa, que vai reunir Scorsese com os atores Robert De Niro, Joe Pesci e Al Pacino, por US$ 50 milhões para o estúdio em ascensão STX Entertainment, que venceu um disputado leilão com outros estúdios – Lionsgate, Fox e Universal. Mas a rede de streaming entrou na “briga” eadquiriu os direitos para a distribuição mundial do filme, cujo lançamento está programado para 2019, na temporada pré-Oscar.

Com isso, “Scorsese poderá fazer o projeto que sempre quis, pois o acordo para a realização de seu filme é arriscado, e a Paramount não está em posição de tomar riscos”, segundo uma fonte da publicação.


Após fechar acordo com Netflix, Scorsese critica espectadores que veem filmes em casa

Novo filme de máfia de Martin Scorsese e definido como o projeto dos seus sonhos, The Irishman é baseado em fatos reais e acompanha Frank “The Irishman” Sheeran, um assassino de aluguel contratado pela máfia para matar o lendário Jimmy Hoffa, um líder sindicalista e mafioso americano.

Sheeran confessou o assassinato em seu leito de morte para o escritor Charles Brandt, que transformou a história no livro I Heard You Paint Houses (“Eu ouvi dizer que você pinta casas”, em tradução livre).

O roteirista Steven Zaillian, de Gangues de Nova York e vencedor do Oscar por A Lista de Schindler, adaptou o livro para as telas. Além de De Niro e Pacino, o filme pode contar com Joe Pesci, “aposentado” da atuação desde 1998, quando participou de Máquina Mortífera 4. Pesci ficou famoso pelo papel de um mafioso em Os Bons Companheiros, de Scorsese.

Silêncio é o trabalho mais recente de Martin Scorsese e chega aos cinemas brasileiros em 9 de março.