Duro de Matar | Furo de roteiro é explicado quase 30 anos depois

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O roteirista Steven E de Souza enfim explicou um grande furo no roteiro de Duro de Matar (1988), quase 30 anos depois do lançamento do filme.

Em uma das cenas, o vilão Hans Gruber (Alan Rickman) finge ser um refém quando ele fica cara a cara com John McClane (Bruce Willis), que suspeita algo de errado e consegue fugir – mas não foi especificado o que exatamente motivou sua desconfiança.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na verdade, segundo o roteirista, o que denunciou os bandidos foram os relógios sincronizados usados por eles.

“Ele rouba os cigarros em um momento engraçado, depois olha para o relógio, que poderia ser outro momento desses, porque você fica pensando que ele poderia roubar o relógio”, conta Souza em entrevista ao /Film. “Conforme ele mata um por um, percebe que todos tinham o mesmo relógio. Quando ele conversa com Dwayne Robinson, ele diz, ‘Eu acho que esses caras são profissionais. Suas identidades são muito boas. Não há rótulos em suas roupas e todos têm o mesmo relógio’”.

No entanto, uma versão estendida desta esclarecedora sequência ficou no chão da sala de edição do filme. O roteirista também detalha outra cena cortada da edição final:

“Originalmente, [os criminosos] saem do caminhão, a câmera se aproxima, você vê eles em um círculo e Alan Rickman dizendo, ‘Sincronizem seus relógios’”, revela Souza.

Apesar disso, o roteirista diz que tais cenas, deletadas pelo diretor John McTiernan, não eram tão necessárias para a trama, já que o motivo de John McClane suspeitar de Gruber ficou subentendido:

“Quando Bruce oferece o cigarro a Alan Rickman, Bruce vê o relógio, você vê os olhos dele olhando para o relógio, é assim que ele sabe que ele é um dos terroristas”, finaliza o roteirista.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio