Há não muito tempo, a Sony Pictures passou a oferecer “versões limpas” de vários filmes populares de Holywood em sua plataforma de home vídeo.

As versões foram editadas “para toda a família”, cortando xingamentos, sexo, cenas pesadas ou violentas. A ideia era oferecer uma opção extra, já que os filmes originais continuam disponíveis.

O estúdio havia alegado que tudo estava acertado com os diretores ou seus representantes. Argumentou ainda que “versões limpas” já vinham sendo feitas há anos, mas de maneira não autorizada e pirateada.


Contudo, como era previsível, muitos cineastas e artistas reclamaram publicamente e afirmaram que os cortes foram realizados sem o seu conhecimento, como Adam McKay e Judd Apatow.

“Por favor, não façam isso com nossos filmes”, diz Seth Rogen sobre versões “para toda a família”

Agora, a Sony recuou. Através de comunicado, afirmou que as “versões limpas” poderão ser retiradas da plataforma caso os diretores não as aprovem. Disse também que buscaria “permissão explícita” dos cineastas antes de fazer novas edições.

Contudo, a Directors Guild of America, que representa os diretores de cinema, diz que isso não é suficiente. Para a entidade, a Sony deveria remover todos os filmes editados da plataforma e só publicá-los de volta caso tenha permissão de cada diretor em particular.

Os primeiros lançamentos das “versões limpas” incluem 24 títulos, entre eles: Como se Fosse a Primeira Vez; A Batalha do Ano; Os Caça-Fantasmas I e II; Hancock; e os cinco filmes do Homem-Aranha lançados pela Sony (com Tobey Maguire e Andrew Garfield).