O cineasta Martin Scorsese escreveu um artigo para o THR culpando os críticos, e especialmente o site agregador de reviews Rotten Tomatoes, pelo fracasso de filmes como Mãe!, de Darren Aronofsky, que o diretor defendeu.

“A cultura do julgamento brutal de filmes transformou as bilheterias de estreia em um esporte sangrento e encorajou uma abordagem mais inclemente à críticas de obras de arte. Estou falando de sites como o Cinemascore, que começou nos anos 70, e agregadores on-line como o Rotten Tomatoes, que não tem nada a ver com crítica de cinema de verdade”, escreve Scorsese.

“Eles dão nota para um filme como se dá uma nota para um cavalo de corrida, um restaurante ou um eletrodoméstico. Eles tem tudo a ver com o negócio do cinema, e nada a ver com a criação ou a visão crítica de um filme. O cineasta é reduzido a um produtor de conteúdo, e o espectador a um consumidor sem senso de aventura”, diz ainda.


“Essas firmas e sites carregam um tom hostil a cineastas – até o nome Rotten Tomatoes [Tomates Podres] é insultante. Críticas reais, escritas por pessoas engajadas na paixão do cinema, tem se tornado cada vez mais raras, e parece que as vozes engajadas em puro julgamento mesquinho estão se multiplicando. Eles sentem prazer em ver obras de arte rejeitadas”, conclui o cineasta.