Blade Runner 2049 era uma dos blockbusters mais aguardados do ano, resgatando toda a aura de ficção-científica e cyberpunk que o antecessor, de Ridley Scott causou, se tornando um filme cultuado e apreciado por muitos.

Porém, tanto o original quanto a sequência lançada em 2017 não tiveram muito sucesso de bilheteria, mesmo indo bem nas críticas. Dirigido por Dennis Villeneuve (A Chegada, Os Suspeitos), a sequência conseguiu 252 milhões de dólares mundialmente, muito abaixo do esperado e que basicamente serviu apenas para pagar o orçamento da produção, de 155 milhões.

Uma das críticas ao filme foi sobre como Dennis retratou mulheres no filme. Em resposta, ele justificou que o cinema muitas vezes é um espelho da sociedade.


“Eu sou muito sensível sobre a forma como trato mulheres nos filmes. Esse é o meu nono filme, e seis deles tiveram mulheres em papéis principais. O cinema é um espelho da sociedade. Blade Runner não é sobre o amanhã, é sobre hoje. E eu sinto muito, mas o mundo não é gentil com as mulheres”, disse ele.

Apesar da sequência não necessariamente exigir que o público tenha visto o antecessor de 1982, a audiência realmente não conhecia muito sobre a história do universo e segundo algumas informações que circularam durante a exibição do filme, aparentemente o conteúdo dele não dialogou bem com o público mais massificado.