Bohemian Rhapsody, filme biográfico da banda Queen e seu vocalista, Freddie Mercury, ganhou o primeiro trailer nessa terça (15) – mas a prévia não foi sem suas polêmicas.

A principal delas foi levantada por Bryan Fuller, produtor e roteirista de séries como Hannibal e American Gods, que se incomodou com o fato de que, embora bissexual, Mercury aparece apenas com uma mulher no trailer.

“Mais alguém está um pouco irritado que o trailer de Bohemian Rhapsody, sobre o superstar gay/bissexual Freddie Mercury, mostra ele flertando e dançando com uma moça, mas nenhuma indicação do seu amor pelos homens?”, escreveu.


Depois, o roteirista ainda criticou a sinopse oficial do filme, que aparece na descrição do trailer no Youtube – especialmente um trecho que diz que Mercury enfrentava “uma doença que ameaçava sua vida”. Como Fuller destacou, era o HIV/AIDS.

“Cara Fox… Sim, era uma doença que ameaçava sua vida. Mais especificamente, a AIDS. Que ele contraiu por fazer sexo gay, com homens. Por favor, faça melhor que isso”, escreveu.

Rami Malek (Mr. Robot) encarna o líder do Queen no filme, e as imagens mostram sua atuação nos palcos e nos bastidores, onde Mercury viveu uma vida badalada e vigiada de perto pelos paparazzi.

Bohemian Rhapsody | Mindinho, de Game of Thrones, será empresário do Queen em cinebiografia

Segundo relatos de indivíduos envolvidos com o filme, Bohemian Rhapsody não vai abordar a época da vida de Mercury em que ele contraiu AIDS e se distanciou da vida pública, terminando um pouco antes disso.

O diretor Dexter Flecther (Voando Alto) foi chamado para substituir um demitido Bryan Singer (X-Men) – que se afastou da produção oficialmente por problemas de saúde, mas foi ao mesmo tempo acossado por várias denúncias de assédio antigas que ressurgiram na imprensa.

Bohemian Rhapsody tem previsão de estreia para 27 de dezembro de 2018.