Depois do sucesso da Marvel Studios, estúdios como Warner Bros, Legendary, Universal e Sony tentaram criar universos compartilhados, ou continuam a fazê-lo. Mas é a ideia de universos compartilhados em Hollywood não é o que um dos diretores de Vingadores: Guerra Infinita acredita.

“Sim, não faça isso. Nem tudo pode ser sustentado através de um universo cinematográfico ”, disse Joe Russo. “Acho que tudo isso – Netflix, Marvel, Star Wars, esse enorme momento de ruptura que estamos enfrentando – é realmente uma função do público que deseja novos tipos de narrativa. Acho que tivemos uma corrida realmente agradável por 100 anos de histórias bidimensionais de duas horas, mas acho que na próxima década, uma década e meia, você verá uma mudança radical na forma como as histórias são contadas.”

“É outra maneira de digerir o conteúdo e essa estrutura é menos preditiva para eles. Temos visto tanto conteúdo que todo espectador médio tem um nível de sofisticação em sua capacidade de prever o que vai acontecer em um filme, e é por isso que Anthony e eu passamos muito tempo tentando esconder os segredos de Guerra Infinita, desvie a maneira como os trailers foram cortados, direcione-os erroneamente com informações. É muito fácil para eles intuir o que vai acontecer. ”


Vingadores: Guerra Infinita teve cenas importantes gravadas no Brasil

Vingadores: Guerra Infinita se tornou o filme mais rápido a atingir a marca de US$ 1 bilhão em bilheteria, tendo atingido o feito em pouco mais de uma semana em cartaz (saiba todos os números aqui).

O longa ainda é a maior estreia para um filme nos Estados Unidos, tendo superados os números de Star Wars: O Despertar de Força em seu lançamento (leia mais).

O filme ainda vendeu mais do que os últimos sete lançamentos da Marvel combinados em ingressos antecipados – saiba mais do número aqui.

A estreia foi tão forte que ajudou a Marvel a completar US$ 15 bilhões de bilheteria acumulada em todos os seus filmes – saiba mais.