O diretor Terry Gilliam passou anos tentando filmar o longa The Man Who Killed Dom Quixote, mas depois de muito tempo tentando ele finalmente finalizou a obra. Agora, durante uma entrevista ao IndieWire, Gilliam revelou que só resolveu filmar o longa por causa do ator Adam Driver, que é um dos protagonistas.

“O filme foi feito por causa de Adam Driver. Eu nunca tinha visto nada dele além de Star Wars e eu estava “Ok. Eu não ligo” explicou o diretor.

Sua opinião sobre o ator, porém, mudou quando ele finalmente o conheceu. “Minha filha que é uma das produtoras me disse ‘Você vai se encontrar com ele’ e eu aceitei porque ele estava ‘famoso’ na época. Você conhece pessoas que são ‘famosas’ por que é assim que você consegue dinheiro. No minuto que eu o conheci, eu achei que havia uma qualidade nesse cara que era diferente dos outros atores que eu havia conhecido. Havia uma quietude e algo genuíno que eu não via em outros atores”.


Apesar de ter finalizado o filme e o exibido no Festival de Cannes, brigas com o produtor do longa, Paulo Branco, fizeram com que Gilliam perdesse os direitos do longa (entenda).

É difícil saber o que isto pode significar para o futuro do longa, mas sabe-se que o produtor ainda procura processar Gilliam, as produtoras Kinology e Ocean Films, e o Festival de Cannes, por danos que ele teria sofrido após o filme ser exibido no festival (saiba mais).

A disputa surgiu quando o produtor Paulo Branco argumentou em processo que os direitos de The Man Who Killed Dom Quixote, uma produção atribulada que Gilliam tenta tirar do papel desde meados dos anos 2000, pertencem a ele, e não ao cineasta.

Em The Man Who Killed Dom Quixote, vemos uma releitura do clássico de Miguel de Cervantes sobre o fidalgo que enlouquece e começa a perseguir moinhos como um cavaleiro da idade média.

Jonathan Pryce, Adam Driver e Olga Kurylenko protagonizam.