Em entrevista ao THR, Spike Lee falou sobre a importância política de seu mais novo filme, Infiltrado na Klan, especialmente durante o governo de Donald Trump.

Durante a entrevista, o diretor revelou por que optou por incluir filmagens da manifestação em Charlottesville no ano passado, quando supremacistas brancos e neo-nazistas se juntaram para protestar contra a remoção de monumentos confederados no Sul dos EUA.

“Aconteceu antes de começarmos a filmar”, disse Lee sobre a manifestação, que resultou na morte de Heather Heyer. “Eu estava em Martha’s Vineyard, assistindo a CNN e vi um ato de terrorismo americano”.


Dias depois, Trump afirmou que “há culpa dos dois lados” e que “de um lado tinha um grupo que é mal. E do outro lado, um grupo que também é muito violento. Ninguém quer dizer isso. Eu direi isso agora mesmo”.

Infiltrado na Klan | Adam Driver discute sobre luta contra grupo racista em nova cena de filme de Spike Lee

Lee optou por usar trechos de Trump fazendo essas controversas declarações porque “ele disse essas coisas. E as pessoas precisam se lembrar que o atual presidente dos Estados Unidos diz coisas como essa”.

Topher Grace, que interpreta o líder da KKK, David Duke, em Infiltrado na Klan, concordou com a decisão de Spike Lee em incluir tais trechos.

“O filme começa com uma cena da Guerra Civil e termina com Charlottesville. Existe apenas um cineasta que consegue fazer isso”, disse o ator ao THR, que traçou assustadores paralelos entre David Duke e Trump.

“Grande parte de minha pesquisa para interpretar Duke envolvia assistir antigas entrevistas. Quando o assisti no Phil Donahue Show, ele continuava usando as falas, ‘primeiro a América’ e ‘Torne a América Grande Novamente’. Os paralelos são insanos”.

Infiltrado na Klan estreia no dia 22 de novembro de 2018.