Meses atrás, Michael Moore lançou o documentário Fahrenheit 11/9, obra sobre a ascensão de Donald Trump à presidência e seus efeitos na cultura e na política dos Estados Unidos.

Em decorrência das inúmeras bombas-correio enviadas a membros do Partido Democrata norte-americano, Moore aproveitou para fazer uma chocante revelação: Moore tem gravações de Cesar Sayoc, preso pelas autoridades como suspeito de terrorismo, durante uma das carretas a favor de Trump. A cena, entretanto, foi cortada do produto final e divulgada hoje mesmo, 29, em seu site.

Fahrenheit 11/9 | Documentário de Michael Moore sobre Donald Trump fracassa na estreia


“Minha equipe encontrou Sayoc vinte meses atrás, quando ainda estava em Melbourne, Florida, na primeira passeata da re-eleição de Trump”, o documentarista escreveu em uma postagem. “Minha ideia era não filmar Trump, e sim seus eleitores. Depois disso, não precisaríamos mais ouvir nada da boca dele, já tínhamos tudo o que precisávamos”.

É possível ver Sayoc ostentando um pôster dizendo “CNN Sucks” (“A CNN é um lixo”, em tradução livre), coberto com as mesmas imagens encontradas em sua vã. Logo depois da prisão de Sayoc, Robert Bowers abriu fogo em uma sinagoga em Pittsburgh no sábado, matando onze pessoas e ferindo outras seis. Moore acredita que os atos estão relacionados, ambos influenciados pelo discurso de ódio de Trump.

Confira o material exclusivo abaixo, cortesia da Entertainment Weekly: