A promotora de Los Angeles Jackie Lacey planeja usar um longa-metragem estrelado por Ryan Gosling em 2010 como evidência no julgamento de Robert Durst, investigado por assassinar a própria esposa e ter cometido outros dois homicídios, de acordo com o Deadline.

Uma moção apresentada por Lacey em 23 de outubro indica que, embora Entre Segredos e Mentiras seja tratado como uma obra ficcional, ela foi baseada no relato do desaparecimento e morte da esposa de Durst, além do assassinato de seu melhor amigo e de uma vizinha e confidente, e comercializada como tal.

Ryan Gosling e Britney Spears se reencontram pela primeira vez em anos


Segundo Lacey, o réu não se opôs a nenhum dos eventos apresentados no longa nem à maneira como foi retratado e, portanto, adotou como verdade as alegações apresentadas contra ele; aliás, o próprio Durst expressou que gostou muito do filme e concordou em participar de uma série de entrevistas para DVD porque o julgava “muito próximo da realidade”, o que piora ainda mais sua situação. O caso está aberto há décadas, mas finalmente parece estar chegando ao fim.

Entre Segredos e Mentiras foi estrelado por Ryan Gosling como David Marks, versão fictícia de Durst, e Kirsten Dunst como Katie McCarthy, esposa de David que eventualmente desaparece.

Friamente recebido pela crítica, o filme foi um fracasso comercial, arrecadando menos de US$ 1 milhão para um orçamento de cerca de US$ 20 milhões.