Netflix é acusada de promover conteúdo baseado em etnia do espectador, mas diz ser impossível

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Netflix está sendo acusada de promover conteúdo baseado na etnia do espectador. As acusações começaram quando a jornalista Stacia L. Brown observou no Twitter que o serviço de streaming estava indicando filmes com pôsteres de personagens negros ainda que os elencos dessas produções fossem predominantemente brancos.

É o caso de Tal Pai, Tal Filha, uma produção original da plataforma. A comédia é estrelada por Kristen Bell e Kelsey Grammer, mas foi indicada para Brown com um pôster com os atores negros Leonard Ouzts e Blaire Brook, que só têm alguns minutos de tela. O mesmo aconteceu com Simplesmente Amor.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Estudo afirma que mais séries da Marvel na Netflix podem ser canceladas

Um caso parecido aconteceu com a cineasta Tobi Aremu. Falando ao The Guardian, ela contou que o musical O Plano Imperfeito surgiu entre suas recomendações com uma imagem dos atores coadjuvantes Lucy Liu e Taye Diggs, ainda que as estrelas em questão fossem Zoey Deutch e Glen Powell. “Foi feito para parecer que eles eram os protagonistas, que na verdade são um casal branco”, contou.

Em comunicado, a Netflix apontou que é impossível reconhecer a etnia de seus assinantes para fazer recomendações e que essas sugestões fazem parte de seu algoritmo, que simplesmente leva em consideração o que seus espectadores assistiram no passado.

“Relatórios de que verificamos demografia para personalizar nosso trabalho artístico não são verdadeiros. Não perguntamos a raça, sexo ou etnia de nossos membros, portanto não podemos usar essas informações para personalizar sua experiência individual”, comentou um representante do serviço.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio