Aquaman, de James Wan, expande o DCEU de maneira fantástica e entrega uma abordagem estonteante sobre Atlântida, ao passo que também ignora uma parte muito importante de sua história nos quadrinhos.

Como sabemos, o Rei Atlan, que aparece na trama durante alguns momentos, foi o primeiro líder de Atlântida, liderando seu povo contra os ataques do Lobo da Estepe ao lado dos homens e das Amazonas.

Sua reconhecida importância, bem como a de seu poderoso tridente, é bem fiel aos quadrinhos, mas há algumas partes cruciais do personagem que foram reescritas.


Nas histórias em quadrinhos, Atlan é tido como um grande líder de Atlântida na superfície antes de ser traído por seu irmão, Orin, que desejava o trono. Com a traição do irmão, uma guerra civil se iniciou, destruindo Atlan física e mentalmente, fazendo com que se transformasse em um homem problemático e paranoico.

Em contraste, as coisas são diferentes no DCEU: Atlan era respeitado e amado por todos antes da queda de Atlântida. Foi somente após a cidade sumir da superfície que a reputação de Atlan ficou suja, fazendo-o “sugar” ainda mais poder de seu tridente, o que resulta em eventos terríveis. Envergonhado, Atlan se exilou, não sendo visto mais por nenhuma outra pessoa (até o final do filme).

Com isto, Aquaman muda não apenas a história do Rei Atlan, mas a de Atlântida em geral. Isto porque, nos quadrinhos, a guerra civil e a consequente loucura de Atlan é diretamente influenciada na queda de Atlântida, já que o próprio decidiu inundar a cidade num ato de vingança – como não podia vencer a guerra contra Orin, a única opção que passou por sua cabeça foi afundar Atlântida no oceano.

Aquaman se torna o filme com a maior bilheteria dos Mundos da DC

O elenco de Aquaman conta também com, além de Jason Momoa no papel do herói, Patrick Wilson como Mestre dos Oceanos, Nicole Kidman como a Rainha Atlanna, Willem Dafoe como Vulko e Amber Heard como Mera.

James Wan (Invocação do Mal) dirige o filme.

Aquaman está em exibição nos cinemas brasileiros.