Pantera Negra foi um dos filmes mais bem sucedidos e elogiados da Marvel em 2018. Por seu compromisso com a representatividade, a obra virou um fenômeno mundial, e seu efeito foi sentido fortemente na África, como conta o ator Djimon Hounsou.

ADG Awards 2019 | Pantera Negra e Homem-Aranha no Aranhaverso estão entre os indicados ao prêmio do Sindicato de Direção de Arte

Pantera Negra chegou de uma forma que eu nunca tinha visto em meu país, incentivamento as nossas crianças a irem ao cinema. Pais até economizavam dinheiro para garantir o ingresso para o filme. Foi histórico. Vocês não sabem como o cinema é visto lá. Nós não temos muitos cinemas. E mesmo assim, Pantera Negra estreou lá no mesmo dia do que nos Estados Unidos, e era maravilhoso ver crianças africanas realmente empolgadas para ver um filme. Isso é raro”, contou o ator, que nasceu no Benin.


O ator também ressaltou a importância da representatividade para a formação cultural e identitária do povo africano.

“O filme transformou a minoria, as pessoas que aparecem menos nas telas, em heróis. Do nada, nós tínhamos um filme que nos identificávamos, e isso foi muito poderoso. Acho que Pantera Negra revolucionou a maneira como histórias são contadas, principalmente histórias de super-heróis”, opinou o ator.

Pantera Negra foi o primeiro filme de super-heróis com um protagonista africano e elenco quase completamente formado por pessoas negras.

Djimon Hounsou não participou de Pantera Negra, mas vai aparecer em Capitã Marvel.

No momento, Pantera Negra 2 está em desenvolvimento.

O diretor Ryan Coogler volta para continuar a história do herói no Universo Marvel