Um tribunal de Pari rejeitou nesta segunda-feira (18), uma ação movida pelo padre Bernard Preynat, que visava a proibição da exibição do filme By The Grace of God. O caso de abuso sexual envolvendo o sacerdote foi a inspiração do cineasta François Ozon para a produção do longa.

Leaving Neverland | Cinco momentos chocantes do documentário sobre supostos abusos de Michael Jackson

Ganhador do Urso de Prata, no Festival de Cinema de Paris, By The Grace of God acompanha o caso de Preynat, processado por pedofilia e abuso sexual após ser acusado por mais de 80 meninos. O padre, que nega todas as acusações, afirma que o filme prejudica sua presunção de inocência e trará repercussões negativas sobre seu julgamento, que deve acontecer no segundo semestre de 2019.


Mesmo com a corte francesa tendo rejeitado o pedido de Preynat, uma outra ação ainda pode impedir o lançamento do filme no país, previsto para acontecer nesta quarta-feira (20).

O filme de Ozon destaca a história de três das vítimas do padre, e de como o abuso impactou suas vidas por décadas.

“Eu acho que o sistema jurídico francês é forte o suficiente para suportar o impacto do filme. Muitas das pessoas que estão nos criticando, não viram o filme”, afirmou o diretor, durante entrevista no Festival de Berlim.

Para evitar problemas, Ozon mudou o nome das vítimas, porém manteve os nomes de Bernard Preynat, do Cardeal Phillipe Barbarin e da voluntária da Igreja, Regine Marie, que teria mantido silêncio e colaborado com os abusos do padre. Ela também processou o diretor do filme, exigindo que seu nome fosse excluído da obra. A ação ainda não foi julgada.

Mesmo não tendo estreado na França, o filme já é sucesso em outras partes da Europa, Canadá e América Latina.