Leaving Neverland, documentário que reúne casos de pedofilia que Michael Jackson supostamente teria cometido, será exibido pela HBO mesmo com protesto da família da falecida estrela.

A família Jackson divulgou uma nota, em que chama o documentário de “assassinato de reputação”.

“Não é um documentário, é um tipo de tabloide que tenta assassinar a reputação de Michael Jackson conquistada na vida, agora na morte. O filme pega casos que não foram corroborados, de 20 anos atrás, e trata como se fossem fatos”, afirma trecho.


A HBO recebeu um documento de 10 páginas mostrando falhas em Leaving Neverland. No entanto, durante o TCA, o chefe da emissora, Casey Bloys, mostrou que o canal não voltará atrás.

“De modo algum. Tudo que eu peço é que quem escreve ou opina sobre o documentário poderia guardar o seu julgamento até vê-lo”, afirmou o executivo.

Leaving Neverland | Polêmico documentário sobre Michael Jackson ganha data de estreia na HBO

Casey Bloys ainda deixou claro que a HBO está preparada caso receba processos por exibir o documentário. O presidente da emissora também afirmou que não se encontrará com representantes ou familiares de Michael Jackson para resolver a situação.

A sinopse do documentário diz: “No auge de seu estrelato, Michael Jackson começou relacionamentos duradouros com dois garotos de 7 e 10 anos e suas famílias. Agora com 30 anos, eles contam a história de como foram abusados ​​sexualmente por Jackson e como chegaram a um acordo para ficarem calados anos depois.”

O documentário traz entrevistas com James Safechuck e Wade Robson, que alegam ter sido molestados por Michael Jackson quando ainda eram crianças.

Ações judiciais movidas por Robson e Safechuck contra Jackson foram rejeitadas por um juiz em Los Angeles em 2017.

Leaving Neverland será exibido em duas partes na HBO, nos dias 3 e 4 de março.