Leaving Neverland | Diretor do documentário explica a ausência de Macaulay Culkin

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Dan Reed, diretor do controverso documentário Leaving Neverland, sobre os supostos atos de pedofilia cometidos por Michael Jackson, deixou claro por que não chamou Macaulay Culkin para participar do filme.

Leaving Neverland | Irmãos e sobrinho defendem Michael Jackson: “Tinha o coração de uma criança”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista ao site Bussiness Insider, nesta terça-feira, dia 5, Dan Reed explica que ele até considerou chamar o ator, mas sabia que o mesmo não participaria.

Dan pondera: “Eu realmente pensei nisso. No final, eu sabia que Culkin e Brett [Barnes] fizeram pronunciamentos consistentes negando qualquer tipo de abuso. Não é meu direito fazer com que eles contem a verdade. Eu acho que deixamos bem claro no filme que eles negam qualquer tipo de abuso e eu não vou tentar mudar a mente deles sobre isso.”

Macaulay Culkin sempre descreveu sua amizade com Michael Jackson como “normal” e é padrinho da filha do cantor, Paris Jackson.

O documentário conta a seguinte história: “No auge de seu estrelato, Michael Jackson começou relacionamentos duradouros com dois garotos de 7 e 10 anos e suas famílias. Agora com 30 anos, eles contam a história de como foram abusados ​​sexualmente por Jackson e como chegaram a um acordo para ficarem calados anos depois.”

Ações judiciais movidas por Robson e Safechuck contra Jackson foram rejeitadas por um juiz em Los Angeles em 2017.

Leaving Neverland será exibido em duas partes na HBO, nos dias 3 e 4 de março.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio