Pulp Fiction | Samuel L. Jackson tentou fazer Quentin Tarantino parar de usar termo racista

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Samuel L. Jackson é provavelmente um dos maiores defensores de Quentin Tarantino, ainda mais quando se trata do uso de expressões polêmicas. No entanto, para toda regra, há uma exceção.

Para Esquire, Samuel L. Jackson avisou ter alertado o diretor sobre o uso de um termo racista em Pulp Fiction, de 1994. Uma personagem teve que ser criada para fazer Quentin Tarantino diminuir o uso da expressão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Quando fizemos Pulp Fiction, eu avisei Quentin Tarantino sobre o uso da expressão ‘depósito de negros’. Eu reagi para ele, ‘Não use esse termo’. Ele me respondeu, ‘Não, eu vou dizer isso’. E nós tentamos fazê-lo diminuir o uso criando uma esposa negra para ele no filme, o que não estava roteiro”, contou Samuel L. Jackson.

Dupla Explosiva 2 | Ryan Reynolds posta foto sangrenta com Samuel L. Jackson e Salma Hayek

Samuel L. Jackson, no entanto, disse entender o uso das expressões quando se trata de roteiros. O ator revelou que adicionou alguns termos racistas no script de Pulp Fiction.

“Você não pode dizer a um escritor que ele não pode falar, não pode colocar as palavras nas bocas das pessoas por causa de suas etnias, a maneira como usam as palavras. Você não pode fazer isso, porque não é sincero. Não é honesto. E há outro lado também, de que há outras maneiras. E eu genericamente adicionei uns cinco termos no roteiro de Quentin, que já estava escrito”, explicou o astro.

Pulp Fiction foi o segundo filme de Tarantino, para os críticos, o que o levou ao estrelato. Atualmente, o diretor trabalha em sua nona obra, Era Uma Vez em Hollywood, que deve estrear apenas em 15 de agosto de 2019.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio