A produção de Rogue One: Uma História Star Wars foi uma das mais conturbadas da saga espacial da Disney, contando com diferentes versões do roteiro e extensos períodos de refilmagens.

Em entrevista para o podcast Cult Popture, o roteirista Chris Weitz falou um pouco sobre a primeira versão de seu roteiro, que mantinha o mistério em cima da Estrela da Morte, jamais mencionando seu nome.

“Não era claro no começo do filme que a Estrela da Morte seria a Estrela da Morte. Era só a sensação de que algo ruim estava acontecendo e a Rebelião precisava descobrir. Havia uma sensação ruim se desenvolvendo pelo roteiro original”, diz Weitz.


“Eu estava querendo algo que tivesse mais um senso de ironia dramática. Eu gosto bastante da versão final Eu gostei muito do filme… Eu não fazia ideia de que iria funcionar até o momento em que sentei para a estreia. Eu estava assistindo um filme que escrevi e um filme novo ao mesmo tempo. Eu gostei muito, muito mesmo”, elogia o roteirista.

The Mandalorian | Death Troopers, de Rogue One, aparecem em fotos do set

Rogue One: Uma História Star Wars foi bem recebido pela crítica e público, arrecadando mais de US$ 1 bilhão de dólares nas bilheterias mundiais e duas indicações ao Oscar.

O próximo filme da saga Star Wars, o Episódio 9, tem direção de J.J. Abrams e estreia em 19 de dezembro.