Decisão de rescindir o contrato de Woody Allen foi “justificada”, afirma Amazon

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após alegações de abuso e assédio sexual contra Woody Allen ressurgirem, vindo até mesmo de sua própria filha adotiva, a Amazon decidiu engavetar o último filme do cineasta na plataforma.

O contrato de Woody Allen com a Amazon sofreu rescisão antes do lançamento do último longa do diretor, o acabou gerando um processo no qual Allen pede cerca de 68 milhões de dólares como indenização.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segundo uma nota oficial emitida pela empresa, a decisão de anular o contrato com Woody Allen veio devido aos atos do próprio diretor.

“Mesmo com um consenso imediato da importância do reconhecimento e abordagem desse problema, Allen emitiu uma série de comentários públicos que sugerem que o diretor não entende a gravidade das acusações e das implicações que elas podem ter em sua carreira. Allen expressou simpatia tanto por Harvey Weinstein quanto por suas vítimas, descrevendo a situação como ‘muito triste para todos os envolvidos’. Além disso, ele também afirmou que ‘Não queremos que isso se torne uma atmosfera de caça-as-bruxas, de Salem, onde todos os caras em um escritório que piscam para mulheres tenham que contratar advogados”, afirmou a nota da empresa.

A Amazon também chamou a atenção para a utilização irônica do termo #MeToo pelo diretor.

Woody Allen desconsiderou as memórias de abuso sexual de Dylan Farrow, e usou cinicamente a #MeToo para chamar a atenção. Isso causou uma verdadeira tempestade e fez com que trabalhar com o diretor se tornasse insuportável”, afirma a Amazon.

O processo de Woody Allen contra a Amazon continua correndo na Justiça americana.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio