Em entrevista para o The Hollywood Reporter, o diretor e roteirista de X-Men: Fênix Negra, Simon Kinberg, explicou por que resolveu mudar o final do filme em extensas refilmagens.

“O que eu senti assistindo ao terceiro ato (antes das refilmagens), é que ele não compensava, a reconciliação da família. Não havia o tipo de catarse que eu queria que o público tivesse, onde depois de passar por todo o trauma com essa família, você quer vê-los reunidos no fim. Você quer que eles se recuperem de alguma forma no final, de uma forma mais madura. Quando você se cura, você fica mais forte, mas também diferente. Eu queria um terceiro ato que refletisse isso, então voltamos e fizemos refilmagens para criar um final mais satisfatório e catártico”, explica Kinberg.

Se o investimento deu certo, só saberemos quando assistirmos ao filme.


X-Men: Fênix Negra gira em torno de um dos personagens mais amados dos X-Men, Jean Grey, enquanto ela evolui para a icônica Fênix Negra. Durante uma missão de resgate no espaço com risco de vida, Jean é atingida por uma força cósmica que a transforma em um dos mais poderosos mutantes. Lutando com esse poder cada vez mais instável, e também com seus próprios demônios, Jean fica fora de controle, dividindo a família X-Men e ameaçando destruir a própria estrutura do nosso planeta.

O elenco de X-Men: Fênix Negra conta com os retornos de Sophie Turner, James McAvoy, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Nicholas Hoult, Alexandra Shipp, Tye Sheridan, Evan Peters e Kodi Smit-McPhee. Jessica Chastain vive a vilã do filme.

X-Men: Fênix Negra estreia nos cinemas em 6 de junho.