SPOILERS!

Por mais que o novo Aladdin seja um remake da animação original de 1992, o filme de Guy Ritchie traz algumas mudanças consideráveis em relação ao clássico da Disney.

Uma delas está diretamente relacionada ao Gênio de Will Smith. Assim como no original, Aladdin faz um acordo para garantir que seu terceiro desejo seja a libertação de seu amigo mágico. Porém, aqui, o Gênio revela que também gostaria de ser humano, tendo uma subtrama romântica com Dalia, melhor amiga e conselheira de Jasmine.


No final, Aladdin mantém sua promessa, e o Gênio é libertado e acaba se tornando um humano. Não só ele agora é um mortal, mas também fica junto de Dalia e os dois planejam uma nova vida juntos, e até participam do número musical que encerra o longa.

Uma decisão ousada, mas que sinceramente, acaba agradando. Na animação original, o Gênio era libertado, mas mantinha seus poderes para poder viajar ao redor do mundo.

Sob direção de Guy Ritchie (Sherlock Holmes), o filme recontará a história do pobre garoto Aladdin (Mena Massoud) que tem apenas como sua família o macaquinho Abu. Depois de conhecer e se apaixonar pela princesa Jasmine (Naomi Scott), Aladdin encontra um lâmpada mágica, lar de Gênio (Will Smith), que o ajuda a conquistar o coração da amada.

Alan Menken assina a trilha sonora de Aladdin – ela já é velho de casa na Disney, tendo trabalhado em animações como Pocahontas, A Pequena Sereia, A Bela e a Fera, e também no clássico Aladdin. Já Benj Pasek e Justin Paul contam em seu currículo com La La Land: Cantando Estações.

Aladdin está em exibição nos cinemas.