Vingadores: Ultimato ocupa grande parte das salas de cinemas do mundo inteiro. Mas, no Brasil, o fato causa polêmica.

O filme da Marvel, que ultrapassou US$ 2 bilhões em arrecadação em 11 dias, esteve, inicialmente, em mais de 80% das salas de cinemas nacionais. Produtoras e cineastas reclamaram da prioridade dada ao longa.

Um dos exemplos citados foi o longa nacional De Pernas Pro Ar 3. A comédia foi retirada de muitas salas, mesmo que estivesse com bom desempenho.


Em resposta à Folha de São Paulo, que publicou as reclamações, a assessoria do Ministro da Cidadania, Osmar Terra, respondeu que um decreto que estipula a cota de telas foi assinado. Ou seja, os cinemas brasileiros terão que disponibilizar um certo número de salas para produções nacionais.

Até o momento, o Ministério não divulgou qual será a porcentagem estipulada e em quais dias essa cota valerá. A regra deve ser publicada no Diário Oficial da União ainda nesta semana.

Sendo assim, a lei retorna depois de dois anos. Em 2001, o então presidente Fernando Henrique Cardoso assinou decreto semelhante. A regra havia caído em 2017, no governo de Michel Temer.