Chris Evans, atualmente em cartaz como Capitão América em Vingadores: Ultimato, deu uma declaração polêmica durante entrevista para divulgar o filme. Para o guia oficial de Vingadores: Ultimato, o ator falou sobre a complexidade de Thanos e como a Marvel o transformou em um vilão quase “humano”, graças a suas motivações.

“É fácil, quando o vilão é tão claramente mau, odiá-lo. A Marvel Studios fez essa coisa estranha com o Thanos onde eles lhe dão um ponto de vista lógico, na minha opinião. Ele tem uma misantropia mascarada ou algo assim embaixo de uma lógica binária sobre o bem maior”, explica o ator.

“Ele não é só um cara mau”, continua. “Ele acha que está fazendo a coisa certa, o que o torna identificável, de certa forma. Josh Brolin o interpreta de uma forma humana, onde você não vê um monstro ou vilão. Você vê uma pessoa que acha que está fazendo algo bom”, completou Evans.


A força do Capitão América

Chris Evans interpreta o Capitão América nos cinemas há 8 anos, e traz uma conclusão honrada para o personagem em Vingadores: Ultimato.

Em entrevista para um programa especial sobre o filme da Marvel Studios, Evans falou sobre a força do personagem, e como ele é capaz de “fazer isso o dia todo”.

“Depois de Thanos ter completado seu plano e nós termos perdido todas essas pessoas, Steve está só tentando iniciar aquele otimismo e redescobrir a lealdade a convenções maiores do que ele mesmo, e achar uma forma de flutuar. Do contrário, seria fácil pra ele desistir. Mas isso não faz parte de sua natureza, e eu acho que ele sabe disso. É uma questão de descobrir como ser um líder diante das piores situações”, explica o ator.

“É difícil tentar apresentar desafios para alguém tão altruísta… Ele sempre teve essa postura de um cara que é leal a instituições e pessoas. Ao longo dos filmes, isso foi tirado dele… Quando o vemos em Vingadores: Guerra Infinita, ele abandonou muitas coisas. Em Ultimato ele volta a ser esse líder mais esperançoso”, finalizou Evans.

Vingadores: Ultimato está em exibição nos cinemas.