Em recente entrevista à Empire, os roteiristas e diretor de Vingadores: Ultimato falaram sobre as duas dramáticas mortes do filme: da Viúva Negra e Homem de Ferro.

Stephen McFeely, Christopher Markus e Joe Russo revelaram que essas mortes não estavam definidas desde o começo.

“Tínhamos uma versão em que o Gavião Arqueiro morria. Lembro especificamente de nossa supervisora de efeitos visuais, Jen Underdahl, estava lendo e falou, ‘não faça isso. Honre sua escolha’. E levamos isso bem a sério. Muitas das mulheres na equipe estavam querendo dar a ela o seu momento de heroína – não tire isso dela”, disse McFeely.


Vimos em Vingadores que ela é uma lutadora melhor. Então se fosse ter uma luta entre os dois sobre quem vai cair da colina, ela vai ganhar. E ela ganhou”, disse Joe Russo, sobre a luta com o Gavião Arqueiro.

Christopher Markus, co-roteirista, falou sobre a morte do Homem de Ferro.

“Marvel como um todo disse, ‘acho que talvez seja hora [do Tony morrer], mas se você tem um bom motivo para não fazer isso, sinta-se livre – faremos o que tiver de ser feito’. Mas realmente parecia que, particularmente com as experiências de Tony após a pausa de cinco anos – que ele se casou, teve uma filha e está vivendo uma vida bem saudável, pacífica, e que ele teve cinco anos sem surpresas – não havia mais para onde ir. Esse é um cara que fez sua jornada completa, até o fim, experimentou a reabilitação total de seu persoangem, do traste no banco traseiro de um carro do exército, no começo do primeiro Homem de Ferro. Ter ele fazendo o sacrifício que o Steve Rogers faria naquela situação pareceu a coisa certa”, disse o roteirista.

Vingadores: Ultimato ainda está em exibição nos cinemas.