Vingadores: Ultimato é aclamado pelos fãs e pela crítica. Mas, um ponto gera confusão e muitas discussões: a viagem no tempo apresentada na trama.

Nesta terça, 4, o portal Screen Rant decidiu apimentar um pouco mais o debate. O site tem a teoria de que a viagem no tempo do filme não faz sentido porque a Marvel alterou as regras no final das gravações.

O fato que comprova isso, conforme o próprio site, é que os diretores e roteiristas não concordam com as regras, criadas em conjunto por eles. Um exemplo é o final de Steve Rogers, o Capitão América. O herói volta ao passado, casa com Peggy e uma versão idosa dele aparece no presente para passar o escudo para o Falcão.


Joe e Anthony Russo, os diretores, garantem que o Capitão América criou uma linha do tempo alternativa. Já Christopher Markus e Stephen McFeely insistem que Steve sempre foi o marido de Peggy na mesma realidade em que o filme se passa, já que ele devolveu as Joias do Infinito para os seus lugares. Isso evitaria a criação de mundos paralelos.

Uma recente entrevista de Tilda Swinton, que vive a Anciã, pode ter entregado o que causou toda confusão. A cena da atriz explica as regras da viagem no tempo. O receptor da mensagem é o Hulk.

Tilda Swinton garante que gravou a cena no verão, mas depois teve que retornar um ano depois por causa “daquelas coisas bem importantes” da linha do tempo. Originalmente, não existia a regra sobre as Joias do Infinito criarem ramificações na história, caso não fossem devolvidas para os seus lugares.

É por conta disso que Christopher Markus e Stephen McFeely explicam que o Capitão América não cria uma realidade alternativa quando fica no passado. Esse final foi mantido desde o primeiro roteiro de Vingadores: Ultimato.

Possivelmente, a Marvel resolverá essa questão em Homem-Aranha: Longe de Casa. O filme chega no dia 4 de julho nos cinemas.

Vingadores: Ultimato segue em cartaz nos cinemas.