Ex-integrante da seita de Charles Manson comenta o final de Era Uma Vez em Hollywood

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Atenção! Contém spoilers de Era Uma Vez em Hollywood.

Assim com em Bastardos Inglórios, Quentin Tarantino assume uma postura revisionista da história em Era Uma Vez em Hollywood. No desfecho do longa, o grupo de assassinos enviado por Charles Manson não chega a matar Sharon Tate, graças aos personagens de Leonardo DiCaprio e Brad Pitt.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Até mesmo ex-integrantes da seita mais famosa dos anos 60 estão assistindo o novo filme de Tarantino. Dianne Lake, que fez parte da “família” de Manson, falou sobre o longa em entrevista ao jornal The Daily Beast.

“Achei o final muito criativo”, afirmou Lake. “Sabe, eu amava essas pessoas. É muito difícil. Porém, eles cometeram esses crimes horríveis e brutais… eles causaram o caos. É apropriado que o caos tenha conseguido os alcançar nos final”, opinou a ex-membro do culto.

Dianne Lake era a integrante mais jovem da seita de Charles Manson, se estabelecendo no grupo em 1967, quando tinha apenas 14 anos. Após os crimes, Lake foi uma das principais testemunhas contra o grupo no julgamento.

Confira uma foto da jovem na época do julgamento de Charles Manson abaixo!

Em Era Uma Vez em Hollywood, Lake é interpretada por Sydney Sweeney. A jovem tinha o apelido de Snake (cobra).

Era Uma Vez em Hollywood está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Final prosecution witness in the Manson murder trial, 17-year-old Dianne lake, leaves the courtroom with an unidentified member of the prosecution tam after the attractive young lady was allowed to testify before the jury to “an edited version of admissions” she claimed were made by two of the women defendants. (Photo by Bettmann Archive/Getty Images)
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio