O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio, sexto filme da série, pode dar uma melhora à franquia em comparação ao último longa, O Exterminador do Futuro: Gênesis, de 2015. Ao menos, é isso que espera a projeção do Box Office Pro.

O novo filme da franquia pode lucrar, nos EUA, algo entre US$ 35 milhões e US$ 45 milhões no final de semana de estreia. Está acima dos US$ 27 milhões do longa de 2015.

Por outro lado, pode não bater longas anteriores da franquia. O Exterminador do Futuro: A Salvação conseguiu US$ 42 milhões em 2009 e O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas ficou com US$ 44 milhões ainda em 2002.


Em relação à diferença de épocas, a estreia de O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio pode não ser considerada tão boa quanto a de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, que fez US$ 32 milhões em 1991.

Como tem um orçamento avaliado entre US$ 160 milhões e US$ 200 milhões, o sexto filme da franquia pode ter que contar com uma grande exibição internacional para não dar prejuízo. Vale lembrar que O Exterminador do Futuro tem grande força ao redor do mundo, como O Exterminador do Futuro: Gênesis, que fez US$ 441 milhões em mercados internacionais.

“27 anos após os eventos de O Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final, um novo e modificado Exterminador de metal líquido (Gabriel Luna) é enviado do futuro pela Skynet para exterminar Dani Ramos (Natalia Reyes), uma híbrida de ciborgue com humana (Mackenzie Davis) e seus amigos. Sarah Connor (Linda Hamilton) vai a seu auxílio, assim como o Exterminador original (Arnold Schwarzenegger), em uma luta pelo futuro”, diz a sinopse.

O novo filme conta com o retorno de James Cameron, diretor dos dois primeiros filmes que desta vez atua como produtor do longa. Billy Ray (Capitão Phillips) escreveu a última versão do roteiro.

O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio chega aos cinemas brasileiros em 31 de outubro.