Martin Scorsese revelou o motivo pelo qual ele se afastou de Coringa, filme em que ele recebe os créditos de produtor.

Em entrevista ao The Hollywood Reporter, Martin Scorsese falou sobre seu afastamento da produção de Coringa. Ele também foi questionado sobre suas críticas a Marvel, mas ao que parece, ele não considera que Coringa é um “parque de diversões”.

“Não tenho certeza disso. Eu conheço o filme muito bem, e conheço Todd muito bem. Meu produtor, Tillinger Koskoff produziu esse filme, então é uma questão interessante, porque eu pensei muito sobre isso nos últimos quatro anos, sobre Coringa, e eu decidi que não tinha tempo para isso. E também, você está certo, é de fato influenciado pelos meus filmes. Todd me disse, ‘Marty, é no seu estilo’, mas de qualquer forma, não me envolvi por razões pessoais”, explicou o diretor.


Coringa, de Todd Phillips, é muito comparado a filmes de Martin Scorsese, como Taxi Driver e O Rei da Comédia.

Apesar dos rumores de que ele teria inicialmente considerado tomar a direção do filme, Martin Scorsese negou essa informação, revelando que ele “só considerou a produção”.

Martin Scorsese ainda classificou Coringa como “incrível” e “um trabalho notável”.

“Mas, para mim, eu não se eu daria o próximo passo, que é o personagem se desenvolver dentro de um personagem de quadrinhos. Isso se desenvolve em distração. Não quer dizer que é uma arte ruim, mas não é para mim. Esse é diferente de filmes de heróis. Bem diferente. Filmes de heróis, como eu disse, são outra forma de arte. Eles não são fáceis de fazer, há muitas pessoas talentosas envolvidas, e as pessoas jovens realmente gostam deles. Mas, eu realmente acho que são uma extensão de parque de diversões”, opinou o diretor.

Coringa está em exibição nos cinemas. O Irlandês, novo filme de Martin Scorsese, chega a Netflix em 27 de novembro.