Mesmo quando Star Wars: A Ascensão Skywalker prestou homenagem a muitos aspectos da trilogia original de Star Wars, também trouxe de volta uma coisa que os fãs ficariam felizes em esquecer: beijos incestuosos vergonhosos. Pior ainda, esse aspecto não pode ser facilmente reconfigurado ou ignorado, pois é parte integrante da história principal.

A batalha final de Star Wars: A Ascensão Skywalker mostrou Rey e um Ben Solo redimido unindo forças para enfrentar o ressuscitado Imperador Palpatine. No final, Rey, que soube que era neta de Palpatine, conseguiu enfrentar o poder combinado de todos os senhores Sith da antiguidade, canalizando os espíritos de todos os Jedi que vieram antes dela.

Esse esforço aparentemente a matou junto com o Imperador, até Ben usar a última energia de sua própria vida para curar os ferimentos de Rey e ressuscitá-la. Ele teve tempo suficiente para compartilhar um beijo apaixonado com a mulher a quem ele se uniu antes de seu corpo desaparecer, já que ele se tornou um com a Força.


A razão pela qual esse beijo é estranho está na frase de Star Wars: A Vingança dos Sith, na qual Palpatine conta a Anakin uma história sobre “um Lorde das Trevas dos Sith, tão poderoso e sábio que ele poderia usar a Força para influenciar os Midi-chlorians para criar vida”. Como Anakin aparentemente foi o resultado de uma concepção imaculada, essa fala implica que o Imperador Palpatine foi realmente responsável por engravidar Shimi Skywalker através da Força, efetivamente sendo pai de Anakin Skywalker.

Em uma entrevista à Rolling Stone em 2005, George Lucas disse que deixou deliberadamente esse ponto da trama ambíguo.

“Agora, há uma dica no filme de que havia um senhor Sith que tinha o poder de criar vida. Mas não foi dito: Anakin é um produto de um super-Sith que influenciou os Midi-chlorians a criá-lo, ou ele simplesmente foi criado pelos Midi-chlorians para produzir uma profecia, ou ele foi criado pela Força através dos Midi-chlorians?”

Embora essa ambiguidade tenha sido cuidadosamente mantida, a história em quadrinhos Darth Vader #25 implicava ainda que Palpatine estava envolvido na fabricação da gravidez de Shmi. Isso tornaria o Imperador Palpatine o avô de Luke Skywalker e Leia Organa e o bisavô de Ben Solo.

Isso significa, ou seja, que Rey e Ben são primos, o que dá uma reviravolta estranha no beijo decididamente romântico que Ben dá em Rey em seus momentos de morte.

Estranheza já vista antes

A cena foi um lembrete da trilogia original e de como havia inicialmente um triângulo amoroso entre Luke Skywalker, Han Solo e Leia Organa. Foi então decidido entre as filmagens de O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi que Luke e Leia seriam revelados gêmeos e que Leia seria o “outro” de quem Yoda falou em substituir Luke se ele não sobrevivesse à batalha.

Isso retroativamente tornou estranho cada momento romântico entre os dois nos dois primeiros filmes – particularmente Leia beijando apaixonadamente um Luke ferido para mostrar para Han quão pouco ela estava interessada em seus avanços românticos.

Enquanto o fator assustador de Rey e Ben se beijando não é tão forte quanto os irmãos gêmeos se beijando, ainda é um ponto perturbador a considerar. Alguns podem argumentar que não é como se o Imperador Palpatine fosse pai de Anakin diretamente e que Rey e Ben provavelmente não são realmente parentes.

Não há informações suficientes sobre como Palpatine fez o que ele fez para determinar se ele queria que um bebê existisse através dos Midi-chlorians ou se havia uma transferência real de seu material genético para o corpo de Shimi Skywalker. Assumindo que “o lado sombrio da Força é um caminho para muitas habilidades que alguns consideram antinaturais”, poucos querem considerar as implicações disso, e isso significa que Star Wars: A Ascensão Skywalker apenas reintroduziu o romance incestuoso de Star Wars.

Star Wars: A Ascensão Skywalker está em cartaz nos cinemas.