A última década viu a Marvel Studios transformar Hollywood, transformando super-heróis em uma sucessão de sucessos de bilheteria.

Tudo culminou em Vingadores: Ultimato, que quebrou o recorde de Avatar como o filme de maior bilheteria de todos os tempos, mostrando o potencial destes personagens.

A Marvel Studios não tem escassez de material para se inspirar. Eles têm mais de 50 anos de quadrinhos, incluindo algumas das histórias mais queridas e influentes de todos os tempos.


Mas, crucialmente, eles não têm apenas todos os sucessos para servir de inspiração; eles também podem aprender lições importantes com todos os erros que a editora cometeu ao longo das décadas.

Problema nos quadrinhos

A Viúva Negra apresenta um excelente exemplo; a personagem foi criada pelo próprio Stan Lee, está impressa desde 1964 e deve realmente ser considerada um dos principais Vingadores.

Mesmo com toda essa importância, a HQ da heroína de maior duração – escrita por Nathan Edmondson – teve apenas 20 edições. No que a Marvel Comics tem errado todos esses anos?

As lutas da Viúva Negra na imprensa foram o resultado de um erro estratégico da parte da Marvel. A editora de quadrinhos geralmente tenta enfatizar o papel de Natasha Romanoff no Universo Marvel, concentrando-se em seu relacionamento com outros super-heróis, como o Soldado Invernal, Demolidor, Homem de Ferro, Wolverine ou SHIELD.

É fácil entender por que a Marvel fez essa escolha; em teoria, isso lhes permite conectar a Viúva Negra a uma marca mais forte, inflando esperançosamente suas vendas. Mas o problema é que isso realmente não permite que a Viúva Negra tenha a chance de se sustentar sozinha, de desenvolver seus próprios personagens coadjuvantes.

Falta de desenvolvimento

Sem exceção, as marcas solo de super-heróis mais fortes são aquelas em que o protagonista da série é cercado por vilões e personagens secundários bem desenvolvidos. Cada um desses heróis existe em um mundo próprio, em um contexto único que não depende de sua interação com outros super-heróis estabelecidos.

A Marvel Comics raramente ofereceu à Viúva Negra a oportunidade de desenvolver um contexto próprio e, como resultado, suas histórias sempre se sentiram dependentes de outros super-heróis.

Aprendendo com os erros

O trailer de Viúva Negra deixa absolutamente claro que a Marvel Studios aprendeu com esse erro. Embora reconheça a força do relacionamento de Natasha Romanoff com outros heróis, ele se concentra inteiramente nos novos personagens coadjuvantes que o filme introduzirá no MCU.

Ele passa do contexto mais tradicional de Natasha – o filme dos Vingadores – para um novo. E é assim que deve ser; esse filme tem que se sustentar por conta própria, para se sentir digno de ser feito como um filme da Viúva Negra, que fornece uma visão única de Natasha.

E quem sabe, embora a história de Natasha esteja chegando ao fim, talvez Yelena Belova conquiste os telespectadores como sucessora, que opera em um contexto completamente diferente sem os Vingadores?

Viúva Negra chega aos cinemas em 30 de abril de 2020, com Scarlett Johansson de volta ao papel da heroína.