Em entrevista com o Deadline, Quentin Tarantino conversou sobre o que enxerga como uma “guerra no cinema”, entre longas como Vingadores: Ultimato e produções menores, como as suas.

O diretor acredita que, muito embora as grandes produções tenham tido seu melhor ano em 2019, as mais independentes e autorais conseguiram encontrar seu espaço, batalhando.

Guerra de filmes

“Apesar das sequências e de Vingadores: Ultimato, tudo isso, na verdade, acho que houve uma guerra de filmes no ano passado. Até onde eu sei, produtos comerciais de grandes conglomerados, como Marvel, Star Wars, Godzilla e James Bond, nunca tiveram um ano tão bom como 2019. Teria sido o ano para completar uma dominação mundial. Mas meio que não foi”, disse Quentin Tarantino.


“Muitos dos longas originais foram lançados e precisavam ser vistos nos cinemas. Isso acabou tornando o ano muito, muito forte. Estou orgulhoso de ter feito um desses filmes. Acho que o ano provou que o cinema nem sempre se enquadra a grandes franquias e grandes produções.”

Quentin Tarantino continuou: “Acho que se não fosse por 2019, poderia ter sido o fim para filmes como esses. Foi um ano muito legal. Para combater algo como Vingadores: Ultimato, você não pode falar sobre mais nada no mês anterior e no seguinte ao lançamento. Tentaram isso com o mais recente Star Wars e acho que não funcionou bem. Até o comercial de segurança teve uma cena em Star Wars.”

Vingadores: Ultimato está disponível em DVD e Blu-ray.