Nos últimos anos, os principais filmes de Hollywood tornaram-se dependentes de mercados estrangeiros, como a China, para ajudar a aumentar ainda mais seus lucros nas bilheterias.

Isso torna as notícias recentes de que filmes como Dolittle e 1917 foram forçados a cancelar suas estreias no país bastante preocupantes para os estúdios que desejam transformar esses filmes em sucessos internacionais.

No entanto, o raciocínio é sólido, já que a maioria das salas de cinema do país permanece fechada, devido ao surto de Coronavírus que atingiu a China de maneira particularmente difícil.


A última safra de filmes de Hollywood, bem como os filmes locais produzidos na China, que devem estrear em fevereiro, cancelaram ou adiaram seus planos de serem lançados nos 70 mil cinemas do país, a maioria dos quais foi fechada devido à crise.

Problemas para Dolittle

Para Dolittle, em particular, a situação é ainda mais complicada. O novo filme de Robert Downey Jr (o Homem de Ferro da Marvel) foi um fracasso crítico e financeiro até o momento, e contava com a bilheteria chinesa para, pelo menos, cobrir o valor gasto nas produções.

O longa estreou em 17 de janeiro e até agora, faturou apenas US$ 127 milhões, sendo que teve um orçamento em torno de US$ 175 milhões, fora os valores gastos em marketing.

Tudo isso só potencializa a iminência de que o filme dará um grande prejuízo para a Universal Pictures, estúdio responsável pelo projeto.

Dolittle chega aos cinemas brasileiros em 20 de fevereiro.