Mark Ruffalo é mais conhecido por interpretar Bruce Banner e Hulk no MCU, mas ele também é um ativista da mudança climática que é extremamente vocal sobre política. Recentemente, o ator foi entrevistado pelo Independent com sua citação: “Hollywood é supremacista branco há 100 anos.”

O ator discute tudo, desde os problemas de Hollywood até seu falecido irmão, e até chama Donald Trump de “inimigo público número um” durante a entrevista. No entanto, um momento no artigo que mais se destaca é uma história sobre o presidente da Marvel, Kevin Feige.

Proposta de inclusão

Segundo Ruffalo, Feige quase desistiu durante a produção de Os Vingadores (2012) devido à falta de diversidade dentro da franquia.


“Quando fizemos o primeiro Vingadores, Kevin Feige me disse: ‘Ouça, talvez eu não esteja aqui amanhã. Ike Perlmutter não acredita que alguém queira assistir um filme estrelado por mulheres. Se eu estiver aqui amanhã, saberá que venci essa batalha.'”

O ator acrescentou: “Esse foi o ponto de virada para a Marvel. Porque Kevin queria super-heróis negros, super-heroínas, super-heróis LGBT. Ele mudou todo o universo da Marvel. Agora temos super-heróis gays, temos super-heróis negros, heroínas do sexo feminino – Scarlett Johansson está lançando seu filme, temos a Capitã Marvel, eles farão a Mulher-Hulk a seguir. Nenhum outro estúdio está sendo tão inclusivo nesse nível.”

“Eles precisam mudar, no entanto”, acrescentou. “Este é o mundo. A cultura está muito à frente da política.”

O próximo filme da Marvel é Viúva Negra, que chegará aos cinemas em 30 de abril.