Vingadores: Guerra Infinita é, possivelmente, o filme mais sombrio do MCU, o universo cinematográfico da Marvel. O longa traz a vitória do vilão Thanos.

No caminho para esse desfecho, vários personagens são mortos de forma definitiva. Entre eles, Loki, Gamora e Visão.

A primeira morte do filme, inclusive, acontece logo nos primeiros minutos. Para salvar Thor, Hulk e os moradores de Asgard, Loki se sacrifica no espaço em luta contra Thanos.


Mesmo com a cena, os fãs só se convenceram da morte em Vingadores: Ultimato. No filme, o Loki do presente não volta – confirmando a morte vista em Vingadores: Guerra Infinita.

Ao ComicBook, os roteiristas Christopher Markus e Stephen McFeely explicaram o motivo de terem matado Loki no começo do filme da Marvel.

“Thanos precisava se estabelecer como o vilão mais intimidante do MCU de forma imediata, já que foi indicado há tanto tempo”, explicou McFeely.

“Nós sempre quisemos começar o filme com um sentimento de desgraça iminente”, completou Markus.

Morte de Loki

Assim, a morte de Loki não dá apenas o destino do personagem. O momento indica ao espectador qual será o clima do filme da Marvel.

“Eu acho que foi quando percebemos que o filme abriria com a morte de Loki que notamos qual seria o verdadeiro tom. Ninguém estava salvo, mudanças eram reais e Thanos estava começando o apocalipse no MCU”, explicou ainda Markus.

Com essa morte, o MCU tem agora a versão do passado de Loki. O personagem volta por causa de Vingadores: Ultimato.

O Loki de 2012 escapa dos eventos de Os Vingadores. Essa versão do personagem será acompanhada na série Loki, do Disney+, que terá influência nos eventos presentes do MCU.

Tom Hiddleston volta em Loki.

A série da Marvel é prevista para 2021 no Disney+.