Will Smith queria rivalizar com Marvel e DC; veja plano do astro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A história sobre os planos de Will Smith para um universo compartilhado do Depois da Terra foi contada por Ben Fritz em seu excelente livro The Big Picture: The Fight for the Future of Movies.

Ele passou inúmeras horas vasculhando os documentos liberados como resultado do hack da Sony em 2014 e, como resultado, reuniu grande parte do drama dos bastidores.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No caso de Depois da Terra, ele descobriu a enorme escala das ambições de Will Smith – mas como sabemos, o projeto fracassou.

Universo compartilhado

Smith reconheceu que a era das estrelas estava chegando ao fim e que os espectadores estavam agora mais investidos em franquias do que em estrelas. Como resultado, ele imaginou o Depois da Terra como o início de um projeto que ele chamou de “1000 AE”.

Ele trabalhou com uma equipe de escritores para criar uma Bíblia de 294 páginas detalhando mil anos de história, explicando o que havia acontecido com os sobreviventes da Terra.

Smith até esperava que isso rivalizasse com o Universo Cinematográfico Marvel. O célebre ator não se aproximou apenas da Sony com o argumento de um único filme; ele detalhou os planos de uma sequência, uma série, games, quadrinhos, e até uma rede social da marca AE.

O astro pretendia criar uma experiência incrivelmente imersiva, que usaria elementos transmídia para se tornar o centro da vida online dos fãs.

Não convenceu

A Sony, sensatamente, não estava inteiramente convencida na escala do arremesso de Will Smith. Ainda assim, eles precisavam de franquias e tinham um forte relacionamento com ele, o que significava que acreditavam um pouco.

O estúdio parece ter assistido a produção de Depois da Terra com um olhar cauteloso, entendendo o que Smith não viu – que o maior patrimônio deste filme era sua estrela.

Alguns scripts deixaram Will completamente a favor de seu filho, Jaden, mas a Sony o queria astro na tela grande o máximo possível.

Até o roteiro final teve Will Smith desativado em uma nave espacial durante grande parte do filme, dando conselhos ao filho sobre um comunicador.

A Sony, sabiamente, decidiu que sua melhor aposta em termos de marketing era ocultar a lesão de Will Smith.

“Ele é a estrela que todo mundo está ansioso para ver”, aconselhou o marketing, “e é melhor que os espectadores assumam que ele faz parte da ação – seria decepcionante para o público descobrir que ele passa a maior parte do filme preso na nave.”

Os executivos da Sony também não estavam convencidos de que deveria haver muito foco no diretor M. Night Shyamalan, já que ele pode ser uma figura bastante polarizadora na indústria cinematográfica.

“Night é, sem dúvida, um cineasta de classe mundial com o qual estamos entusiasmados em colaborar neste projeto”, observou Jeff Blake, presidente mundial de marketing e distribuição da Sony, em entrevista ao Los Angeles Times.

“Juntos, decidimos focar nossa campanha tanto na ação quanto em Will e Jaden, já que Depois da Terra é uma história de aventura de pai e filho”.

O fracasso

Will Smith estava condenado a ficar desapontado. O filme arrecadou apenas US$ 61 milhões nos Estados Unidos.

Teve um desempenho melhor no exterior, faturando US$ 183 milhões, mas isso não foi suficiente. Considerando o orçamento de marketing, Depois da Terra perdeu mais de US$ 25 milhões.

Como Fritz observou: “Não houve sequências, programas de TV, videogames, perfumes e redes sociais. O fracasso foi devastador para Smith, que não apenas atuou e produziu o filme, mas também conseguiu sua primeira vez na história apresentar crédito de roteiro.”

Na verdade, a Sony parece ter percebido que isso estava chegando. Nunca é um bom sinal quando um estúdio sente que precisa enganar com o marketing.

Os críticos se concentraram no roteiro embaraçoso, no diálogo desajeitado e nas performances ruins; um zumbido negativo se formou rapidamente, matando qualquer sensação de momento.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio