Will Smith se tornou uma superestrela nas bilheterias graças aos seus sucessos de ficção científica dos anos 90, mas seus trabalhos com o gênero tiveram resultados mistos desde então. No auge de sua glória, havia poucos outros atores que poderiam se igualar a Smith por suas proezas comerciais.

A estrela de cinema não era apenas imensamente popular. Ele era um investimento consistente e ainda mantém a distinção de ser o único ator a ter oito de seus filmes seguidos arrecadando mais de US$ 100 milhões nos Estados Unidos.

Smith perdeu parte de seu brilho nas bilheterias no século 21 devido a alguns erros e fracassos como Depois da Terra e Projeto Gemini. Apesar de combinar Smith com diretores renomados (M. Night Shyamalan e Ang Lee) e premissas de ficção científica de alto conceito, ambos os possíveis sucessos de bilheteria não conseguiram impressionar os críticos e ficaram muito aquém de arrecadar US$ 100 milhões no mercado dos Estados Unidos.


No caso de Projeto Gemini, gerou um prejuízo de cerca de US$ 111,1 milhões, colocando o longa na companhia de bombas de bilheteria em 2019 como Cats, O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio e X-Men: Fênix Negra.

Obviamente, muita coisa mudou entre Smith fazendo seu nome como o rei do cinema de ficção científica dos anos 90 e estrelando um filme de ficção científica que gerou um prejuízo de mais de US$ 100 milhões duas décadas depois. No entanto, para explicar o que aconteceu, o Observatório do Cinema acredita que é melhor começar do começo.

Do sucesso ao fracasso

Will Smith era o grande astro da ficção científica dos anos 90. Entre seus maiores trabalhos, estavam Independence Day e Homens de Preto, que tiveram ótimas arrecadações em bilheteria.

No começo dos anos 2000, o astro mostrou que ainda era uma aposta segura. Estrelou Eu, Robô e Eu Sou a Lenda, que não foram sucessos tão impressionantes quanto seus trabalhos anteriores, mas ainda geraram lucros interessantes.

Atualmente, a história mudou e Will Smith não é mais o astro da ficção científica que era. É claro que Depois da Terra e Projeto Gemini não foram as melhores escolhas da carreira de Smith, mas o astro não tem tanta culpa por ter “caído do galho” dentro desse gênero.

Filmes de ficção científica não geram mais tanto interesse do público como antigamente, porque atualmente existe um foco maior nos super-heróis e num tipo mais simples de ação (como a franquia John Wick). Além disso, o nome de um astro de cinema não significa mais tanta coisa em termos de bilheteria.

Estudos indicam que as pessoas que vão aos cinemas se importam cada vez menos com os grandes astros que estão no pôster. Em vez disso, os nomes das marcas parecem ter se tornado mais importantes para o espectador escolher o que vai assistir – e é por causa disso que Marvel e Disney vivem obtendo sucesso.

O próximo trabalho de Will Smith é King Richard. A estreia está marcada para 19 de novembro de 2021.