A DC está no cinema já há algum tempo. A editora pode se orgulhar de ter começado a base para onda que conquistou os amantes da telona.

Desde cedo, os filmes baseados em quadrinhos são lucrativos para as estrelas. Um exemplo é o de Batman, de 1989, dirigido por Tim Burton.

O longa trouxe Bruce Wayne no cinema com um elenco pesado. Michael Keaton viveu o Batman e Jack Nicholson, já bastante consagrado, interpretou o Coringa.


O que poucos sabem é que o vilão da DC fez o ator ter um enorme lucro com Batman. Com o acordo, Nicholson conseguiu US$ 50 milhões para ser o Coringa – algo extraordinário para qualquer papel.

Porém, para chegar nesse valor, a negociação não foi fácil. Para estar em Batman, o astro quis garantir que receberia um salário dentro do tamanho do currículo dele.

Grande salário para ser Coringa

Inicialmente, Jack Nicholson aceitou receber US$ 6 milhões pelo contrato. Atualmente, seria US$ 4 milhões a menos que um ator como ele receberia pelo papel.

O que acontece é que o ator colocou cláusulas no contrato com a DC que começaram a aumentar o pagamento. Em primeiro lugar, Nicholson fez questão de assinar um acordo para ficar com parte dos lucros de Batman.

No lançamento em 1989, Batman foi um sucesso. O filme conseguiu mais de US$ 400 milhões em bilheteria.

Outro acordo é que o ator de Coringa receberia também pelo marketing. Ou seja, sempre quando a imagem dele fosse usada para algum anúncio da DC, o astro receberia por isso.

Com isso, os US$ 6 milhões se transformaram em US$ 50 milhões, ou algo como R$ 257 milhões. Se fosse corrigido com a inflação, o valor hoje seria de US$ 100 milhões – mais que os US$ 75 milhões faturados por Robert Downey Jr. em Vingadores: Ultimato.

O Batman de Tim Burton pode ser visto em plataformas digitais. No cinema, um novo filme do herói chega em outubro de 2021, sendo estrelado por Robert Pattinson – o título volta às origens: The Batman.