De Volta Para o Futuro é um dos grandes clássicos de Hollywood. Por conta disso, há muitas teorias e lendas sobre o filme.

Uma delas é que uma cena de Eric Stoltz ainda fica no filme. O que acontece é que o ator de Marcas do Destino seria o Marty McFly – até que foi substituído por Michael J. Fox semanas após o início das gravações.

Por causa disso, uma teoria antiga ficou famosa. Os espectadores acham que a cena em que Marty dá um soco em Biff no começo de De Volta Para o Futuro é a de Eric Stoltz como o personagem.


Thomas F. Wilson, que vive Biff nas trilogias, chegou a dizer que a teoria era verdadeira. Porém, até então, a produção do longa nunca tinha comentado o fato.

Isso mudou quando Bob Gale, produtor e roteirista de De Volta Para o Futuro, decidiu abrir o jogo ao The Hollywood Reporter. Ao que parece, a versão de Eric Stoltz pode ter acabado mesmo na edição final.

Teoria pode ser verdadeira

Bob Gale lembra que a cena foi regravada. Mas, o momento do soco ainda pode ser o original.

A conclusão do roteirista foi feita a partir das anotações do editor Harry Keramidas. Com isso, a teoria dos fãs de De Volta Para o Futuro têm grande fundamento.

“Harry, que cortou a cena, fez as anotações dele e mostra que a cena foi regravada, mas nela está ‘Ok’ no lugar de ‘Bom’. Então, ainda pode ser o punho de Eric. Eu acho que a única maneira de realmente saber é ver os números nos negativos, mas ninguém quer arriscar estregar os negativos ao fazer isso. As marcações devem revelar a verdade, mas não tenho ideia se elas ainda estão lá”, respondeu o roteirista.

Além disso, Bob Gale deu mais conteúdo para teoria. O roteirista citou outra cena que pode ser de Eric Stoltz.

“Depois de Marty pular a cerca, há uma cena dele se aproximando dos pedestres nas escadas do tribunal. Pode ser Eric ou Per Welinder, que andava no skate para Michael, ou ainda Bob Schmelzer, o dublê de Eric”, declarou o escritor.

A trilogia de De Volta Para o Futuro é estrelada por Michael J. Fox e Christopher Lloyd. A última parte foi lançada ainda em 1990.

No Brasil, os filmes podem ser vistos em plataformas digitais.