Mais de uma década depois de ter aparecido pela primeira vez no cinema, a versão de Heath Ledger do Coringa em Batman: O Cavaleiro das Trevas de 2008 está acima de todos os outros retratos de supervilões. Ele parecia frio, atencioso aos detalhes e assustadoramente real, abordando o Palhaço do Crime de uma maneira nova e impactante.

Conseguir uma performance tão arrepiante não foi fácil e foi o resultado da dedicação impressionante por parte do homem por trás da maquiagem.

Heath Ledger levou seu trabalho de atuação incrivelmente a sério e não se esquivou de uma oportunidade de se esforçar como artista. Ele se envolvia com seus personagens para garantir que tivesse todos os maneirismos, falas e expressões faciais certas, não importando a natureza do projeto.


A visão de Christopher Nolan do Coringa não foi exceção e, como se constatou, Ledger levou sua metodologia para o próximo nível para o papel com um diário perturbador.

Embora grande parte do conteúdo do diário seja centrada no Coringa, ele também contém muitas imagens e escritos extras que dão aos fãs um vislumbre da mente de Ledger enquanto ele mergulhava mais fundo na mente do vilão. O pequeno livro se tornou quase tão lendário quanto o próprio personagem, levando fãs e críticos a elogiar Ledger por seu compromisso perturbador com seu ofício.

Por causa da natureza agourenta de seu conteúdo, entretanto, vem com seu conjunto de lendas urbanas.

Aqui está a verdade interessante, mas desconfortável, sobre o diário do Coringa de Heath Ledger.

O diário secreto do Coringa de Heath Ledger

Para realmente se tornar o Coringa, Heath Ledger escolheu se isolar do resto do mundo por meses a fio, trancando-se em seu apartamento ou quarto de hotel para acertar os detalhes do personagem.

Durante seu exílio, ele trabalhou em seu diário sem distrações, documentando seu processo de pensamento, peculiaridades importantes do personagem e outras notas que descrevem como ele surgiu com tantos detalhes agora icônicos da caracterização de Coringa.

Em um documentário alemão sobre o falecido ator, intitulado Too Young to Die: Heath Ledger, seu pai, Kim Ledger, foi entrevistado sobre a natureza heterodoxa da preparação de seu filho. Embora o Ledger mais velho admitisse que o isolamento e o estudo prolongado não eram nenhuma novidade para seu filho, ele descreveu o diário do Coringa como estando em “um nível totalmente novo”.

Por mais bizarro que seu conteúdo parecesse por si só, as estratégias que Ledger utilizou em conjunto foram inegavelmente cruciais para aperfeiçoar seu desempenho.

Em 22 de janeiro de 2008, Heath Ledger faleceu tragicamente aos 29 anos devido a uma parada cardíaca. De acordo com o médico legista, seu falecimento foi resultado de uma overdose de medicamentos prescritos que provocou um ataque cardíaco.

Não era segredo que Ledger foi a extremos sérios para entrar no personagem, mas isso contribuiu para sua morte prematura? Afinal, a última parte do diário dizia “Tchau, tchau”.

Então, havia alguma validade nas alegações de que o Coringa levou Ledger ao limite?

Simplificando, apesar da natureza enigmática de seu diário e sua devoção ao papel do Coringa, a morte de Ledger não foi uma causa direta de sua preparação. Seus problemas de abuso de remédios não eram um fenômeno novo, e sua estreia no universo da DC não o estava levando a qualquer tipo de depressão.

Sua irmã, Kate Ledger, deixou claro a atitude do irmão em relação ao papel, dizendo aos repórteres no Tribeca Film Festival 2017 que “ele não ficou deprimido com o Coringa”.

Seu diário do Coringa era muito preocupante fora do contexto, mas acabou se revelando nada mais do que uma ferramenta com a qual Ledger foi capaz de obter o trabalho de sua vida.

Batman: O Cavaleiro das Trevas estreou nos cinemas em julho de 2008. O filme foi um sucesso de crítica e público.