Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge chegou aos cinemas em 2012 para dar fim a uma era para o Homem-Morcego.

Era a despedida de Christian Bale como o Batman. Para muitos fãs, até hoje, o ator permanece como o mais marcante Cavaleiro das Trevas do cinema.

Embora a trilogia de Batman de Christopher Nolan lidasse com conceitos adultos, os longas nunca foram proibidos para menores.


No entanto, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge quase acabou tendo uma classificação indicativa mais elevada. O motivo: uma cena de morte que seria “doentia” demais.

Cena de morte cortada

Em entrevista com o Cinema Blend, o ator Matthew Modine revelou que, originalmente, Nolan tinha pensado em uma morte muito mais chocante para seu personagem, o subcomissário de polícia Peter Foley.

“Nolan cortou minha cena de morte de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge. A cena era tão violenta que faria o filme ter uma classificação indicativa mais elevada.”

“Depois que o Bane morre e o Batman é esfaqueado, Talia al Ghul chega num grande veículo.”

“Eu começaria a atirar nela. E então eu acabaria sendo atropelado; a cena apenas cortava e eu estava no chão, morto.”

“Era uma cena violenta, porque o cara que era meu dublê acabou sendo atropelado de verdade pelo carro.”

“Eles tinham uma corda para puxar o dublê para o alto, mas eles o derrubaram de uma grande altura. O som de seu corpo batendo na rua foi chocante.”

“Me lembro de ter olhado para Christopher Nolan e seu rosto estava simplesmente pálido.”

“Ele então disse que devíamos continuar, porque a cena havia sido concluída. Mas fiquei preocupado com o dublê.”

“Nolan disse que aquela cena teria que ser cortada, porque havia sido doentia demais e forçaria uma mudança na classificação indicativa.”

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, de Christopher Nolan, está agora disponível na Netflix.