Samara Weaving já conta com alguns sucessos em sua carreira, incluindo Hollywood e Três Anúncios para um Crime, mas a atriz já passou por alguns momentos embaraçosos até alcançar o estrelato. Agora, ela contou sobre o vergonhoso teste para 50 Tons de Cinza.

Em entrevista ao Chicago Tribune, a atriz contou sobre a audição para o papel de Anastasia, que acabou indo para Dakota Johnson.

“Eu estava em Los Angeles e tinha um teste para 50 Tons de Cinza, para viver Anastasia. Lembro que estava no corredor e tinha essa fila interminável de mulheres nervosas. Ela ia até o lado de fora, no estacionamento”.


Após o teste, a atriz revelou que voltou para a Austrália e foi para a casa dos pais na casa de Verão deles. Ao todo tinham 12 pessoas na casa, segundo Weaving.

“Eu recebi uma ligação do meu agente, dizendo que eles gostariam que eu gravasse uma outra audição para 50 Tons de Cinza e, claro, eu fiquei empolgada. Eu li a cena que eles queriam que eu fizesse e perguntei para quando eles precisavam da gravação, e eles disseram ‘até o fim do dia de amanhã’”.

“Minha empolgação de repente caiu por terra. A cena era entre Ana e uma personagem chamada Kate e elas estavam fofocando bem, bem abertamente sobre coisas muito, muito sexuais. E minha situação atual não era ideal – eu não tinha amigos em um raio de 2 horas e não tinha FaceTime na época – então eu tinha duas opções sobre quem seria meu parceiro em cena: minha mãe, ou meu pai. Então achei que minha mãe seria menos traumatizante”.

Experiência vergonhosa

A atriz contou sobre como gravou a cena de 50 Tons de Cinza com a mãe, e que, aparentemente, a mãe se divertiu fazendo isso.

“Então, começamos a gravar e minha mãe começa a ler suas falas e ela não consegue ficar sem rir. Eu, por outro lado, não achei isso engraçado. Era uma oportunidade muito grande que poderia começar minha carreira na América! Por favor se controle!”.

“Então começamos a gravar novamente e, dessa vez, ela seguiu uma abordagem diferente. Ela estuda meu rosto como se fosse um livro de Onde Está o Wally? Ela continua me interrompendo – e, olha, eu amo muito minha mãe – mas ela fica me cortando com notas de diretor, como, ‘por que você está fazendo isso com suas sobrancelhas?’. Ou, ‘você deveria estar com esse batom? Você é tão linda sem maquiagem’. Todos esses negócios de mãe. Eu desisti”.

Eventualmente, Samara Weaving acabou pedindo ajuda do seu pai, o que também não deu muito certo.

“Eu achei que ele mergulharia no seu lado estranho inglês e só ficaria de cabeça abaixada. Mas não – meu pai ficou empolgado e realmente entendeu a pressão na qual eu estava e pensou que seria uma ótima ideia se entregar ao papel como uma mulher de 21 anos”.

“Então estamos fazendo a cena e dizendo coisas como, ‘como foi?’ e ‘não me diga que você não o beijou?’, e meu pai ficou sentado com as pernas cruzadas, inclinado e usando essa voz afeminada. E eu não consegui. Não consegui. Eu disse para ele, ‘eu não sei quantos anos de terapia vou precisar para me esquecer dessa experiência traumática. Estou bem ciente que você está tentando ajudar, mas esse é um lado seu que eu não quero ver. Então, por favor, me faça um favor e não leia dessa forma’”.

“Enfim, se você assistiu o filme, sabe que não estou nele”, concluiu a atriz.

Eventualmente, Samara Weaving conseguiu lançar sua carreira nos EUA. Recentemente, ela estrelou A Babá: Rainha da Morte, disponível na Netflix.