Com o sucesso de Crepúsculo e Harry Potter, os estúdios passaram a apostar em franquias baseadas em livros de fantasia adulta ou juvenil. Uma das apostas foi Divergente, pela Lionsgate.

A história conseguiu ter três filmes. Mas, assim como em outras franquias, queria dividir a trama final em dois longas.

Para Harry Potter, por exemplo, foi um grande sucesso. Porém, após A Série Divergente: Convergente, de 2016, a franquia nunca mais ganhou um novo longa.


Inicialmente, o planejamento era de que o longa final fosse exibido em 2017. Divergente nunca foi um sucesso absoluto, mas recolheu bons frutos nos dois primeiros filmes, com bilheterias na casa dos US$ 300 milhões.

Porém, quando A Série Divergente: Convergente foi lançado, tudo mudou para pior.

Problemas para Divergente

O terceiro filme teve as piores críticas. No Rotten Tomatoes, conseguiu apenas 11% de aprovação.

Além disso, na bilheteria, arrecadou apenas US$ 179 milhões. O resultado inicial seria de que o estúdio cortaria o orçamento para o quarto filme.

Mas, até o desenvolvimento de Divergente 4 dava problemas. Robert Schwentke não quis retornar após filmar os outros longas em sequência. Lee Toland foi colocado no lugar, mas não teve muito trabalho.

Com o fracasso do último filme lançado, rumores começaram. Um dizia que o longa iria para TV. Depois, foi noticiado em 2017 que Divergente viraria uma série.

Nesse momento, estrelas como Shailene Woodley se colocavam fora da franquia. Assim, em 2018, foi noticiado que a série não estava mais em desenvolvimento.

Em entrevistas, o CEO da Lionsgate, Jon Feltheimer, afirma que ter apressado o lançamento dos filmes de Divergente pode ter sido o grande erro da franquia.

“Talvez a gente apressou o terceiro filme no lugar de dar um tempo. Nós queríamos ter a data”, chegou a comentar o executivo.

Com isso, a esperança dos fãs de Divergente é que um reboot aconteça algum dia. Ao que parece, a história que chegou aos cinemas ficará incompleta.