A estratégia da Disney em lançar Mulan diretamente no Disney+, aparentemente, deu certo. O filme arrecadou mais que o novo filme de Christopher Nolan, Tenet, com Robert Pattinson, que chegou recentemente aos cinemas em diversos países.

A medida foi adotada pela Disney em razão da pandemia de COVID-19. Originalmente, o estúdio planejava lançar o filme nos cinemas, mas optou pelo modelo de oferecer o filme por 29,99 (em alguns países), através da plataforma de streaming.

Os dados foram coletados pela 7Park Data (via Yahoo! Finance), que determinou que quase 29% dos assinantes do Disney+, nos EUA, compraram Mulan até o dia 12 de setembro de 2020.


Segundo recente relatório de lucros da Disney, o serviço de streaming já acumulou mais de 60 milhões de assinantes. A 7Park assumiu que 50% desses moram nos EUA, o que significa que 9 milhões de assinantes compraram o filme.

Com isso, Mulan teria ganhado US$ 261 milhões no país. Em comparação, Tenet, com Robert Pattinson, chegou aos US$ 207 milhões recentemente, na bilheteria mundial.

Isso coloca Mulan muito à frente do filme da Warner, dirigido por Christopher Nolan.

Reabertura apressada

Obviamente, os dados podem não estar totalmente corretos, mas a comparação aponta que realmente não é o momento ideal para que os cinemas sejam reabertos.

Com isso, o modelo de lançamento direto no streaming parece cada vez mais adequado. Facilitando, inclusive, a vida daqueles que tem pouco tempo para irem ao cinema, sem falar nos preços absurdos dos ingressos. Não que 29 dólares por um filme digital, visto em casa, também não seja absurdo.

No Brasil, Tenet está previsto para outubro de 2020, mas isso pode mudar em razão da pandemia do novo coronavírus.

Mulan não conta com previsão de estreia. Tendo em vista o lançamento do Disney+ no final do ano, no Brasil, é possível que o filme seja ofertado diretamente na plataforma.