Para fãs de filmes de terror, Invocação do Mal é com certeza a franquia mais bem sucedida da atualidade. O que começou como uma história relativamente simples envolvendo os investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren se tornou um verdadeiro universo compartilhado, com o lançamento de derivados como Annabelle e A Freira.

Annabelle 2: A Criação do Mal, lançado originalmente em 2017, chegou recentemente à Netflix, e conseguiu se estabelecer entre os filmes mais vistos da plataforma, arrepiando fãs brasileiros no processo.

Assim como uma parte considerável da trama de Invocação do Mal, a existência de Annabelle é baseada na vida real. A boneca é considerada uma das mais assombradas dos Estados Unidos, mas não é nem de longa a única.


Enquanto o novo filme de Invocação do Mal não estreia nos cinemas; confira abaixo a história de outro boneco – tão assustador quanto Annabelle!

Relembrando Annabelle

Primeiramente, é bom relembrar as origens históricas da boneca Annabelle. O brinquedo existe na vida real, mas não se parece nem um pouco com a sinistra figura de Invocação do Mal.

A Annabelle da vida real é uma boneca de pano bastante simplória, dada aos Warren no início dos anos 70 por uma jovem aspirante a enfermeira.

No início, os especialistas paranormais acreditavam que a boneca era habitada pelo espírito de uma garotinha morta chamada Annabelle. Com o passar do tempo e as “ações” cada vez mais maléficas do brinquedo, Ed e Lorraine passaram a considerar que Annabelle é um receptáculo do Diabo.

A boneca permanece até hoje em uma caixa de vidro no Museu Oculto dos Warren, localizado na cidade de Monroe, no estado americano de Connecticut.

Nos Estados Unidos, outro boneco também chama a atenção por ser assombrado, e possivelmente mais poderoso que a própria Annabelle. Trata-se do boneco Robert, conhecido principalmente por moradores da Flórida.

A história de Robert

O boneco Robert pertenceu originalmente a Robert Eugene Otto, um artista descrito como “excêntrico”, que fazia parte da uma das famílias mais ricas da região de Key West, na Flórida.

O boneco supostamente foi fabricado na Alemanha e comprada pelo avô de Otto em uma viagem à Europa. Robert foi dado ao jovem artista como um presente de aniversário em 1904. A icônica roupa de marinheiro trajada pelo boneco fora usada pelo próprio Otto em sua infância.

Após a morte de Robert Eugene Otto em 1974, o boneco foi adquirido junto com a casa da família por Myrtle Reuner, que residiu no local por 20 anos, até a propriedade ser vendida para os donos atuais.

Em 1994, Robert foi doado para o East Martello Museu, onde se tornou uma popular atração turística por sua suposta atividade paranormal.

A lenda do boneco Robert afirma que a primeira atividade estranha do brinquedo aconteceu quando seu dono, Eugene, tinha apenas 10 anos de idade. O garoto teria acordado no meio da madrugada e percebido que Robert havia se movido, de uma prateleira para o pé da cama.

Em choque, Gene gritou pela mãe, que acordou com os apelos do filho e o barulho dos móveis do quarto da criança se movendo. Quando finalmente conseguiu destravar a porta, encontrou o filho acuado em um canto e o boneco Robert sentado na cama.

“Foi o Robert que fez isso”, era a única frase que o garoto conseguia dizer. A expressão é usada até hoje para se referir às “travessuras” do boneco.

Segundo relatos compilados desde o início do século, Robert tem as habilidades sobrenaturais de mudar sua expressão, se mover livremente e imitar sons de risadas.

Algumas versões da lenda afirmam ainda que o boneco foi dado à família Otto como “retaliação por um pecado”, e que estaria consagrado às entidades do vodu haitiano.

O folclore local diz também que o boneco “desapareceu” da casa da família Otto várias vezes após a morte de Robert Eugene. Outros, dizem que o brinquedo ganhou poderes paranormais ao ser culpado pelos erros de seu dono na infância.

Até hoje, visitantes do museu onde Robert reside afirmam que o boneco causou “má sorte, acidentes de carro, doenças e problemas pessoais” naqueles que o desrespeitaram.

A história de Robert foi contada em um dos episódios da série antológica Lore, lançada pela Amazon Prime Video.

Os filmes de Invocação do Mal continuam disponíveis na Netflix.