Sem Tempo para Morrer, novo filme do 007, que marca a despedida de Daniel Craig como James Bond, está custando milhões à MGM em razão de seus atrasos, apontam recentes análises.

O longa-metragem é um dos muitos afetados pela pandemia do novo coronavírus e já deveria ter estreado em abril de 2020. Primeiramente ele foi adiado para novembro de 2020, em seguida para abril de 2021.

Conforme fontes citadas por Katie Storey, do Metro, os adiamentos causaram grande impacto financeiro para a MGM, que estaria perdendo US$ 1 milhão por mês, somente em juros.


Tais juros são oriundos dos empréstimos concedidos ao estúdio para a produção de Sem Tempo para Morrer. A dívida não poderá ser quitada até a estreia do longa-metragem.

Fontes do THR ainda informaram: “A MGM está sofrendo. Todo grande distribuidor tem pilhas de filmes caros ainda não lançados. Tais pilhas crescem a cada dia”.

“Esses filmes são investimentos. Eles estão parados, sem trazer qualquer retorno. Mesmo com juros baixos, as dívidas estão se acumulando”.

Cinema ou streaming?

Não por acaso, recentes rumores apontaram que a MGM estaria interessada em lançar o filme diretamente em plataformas de streaming. As mesmas fontes também comentaram essas informações.

“Seguir para o streaming não seria maluquice. Dinheiro foi gasto e não haverá retorno tão cedo”.

Os rumores diziam que a MGM estaria em negociações com a Apple e a Netflix, mas nenhum acordo foi fechado. Anteriormente, a própria MGM declarou que o filme não está à venda.

Em todo caso, o novo filme do 007 segue com sua estreia marcada para abril de 2021.