O dispositivo central da trama de Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra é um tesouro pirata amaldiçoado, mas o protagonista, Jack Sparrow, pode ter incorrido em uma maldição de outra fonte baseada em superstições náuticas reais em que os piratas acreditavam.

As histórias dos filmes da série Piratas do Caribe tendem a se concentrar ostensivamente em um casal rotativo de protagonistas românticos. No entanto, Jack Sparrow é o personagem consistente em torno do qual a maior parte da ação gira.

Em uma variante dos contos clássicos de piratas, Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra detalha o retorno do ouro roubado para quebrar uma maldição de imortalidade medonha colocada sobre a tripulação amotinada do Pérola Negra.


O destituído Capitão Jack Sparrow não participou do roubo, então ele não é amaldiçoado por isso até que taticamente se permita estar em sua luta final com Hector Barbossa. No entanto, a história de Jack com o Pérola Negra o expôs a um perigo sobrenatural diferente.

Existe uma superstição náutica estabelecida de que é má sorte mudar o nome de um barco. A crença postula que um navio é catalogado pelos deuses sob seu primeiro nome, e mudá-lo seria o mesmo que esconder algo dos ditos deuses, que provavelmente se tornariam bastante vingativos.

Sparrow inicialmente trabalhou no Pérola Negra como um pirata sob o Capitão Morgan, e depois sob seu próprio comando como um navio mercante a serviço da Companhia de Comércio das Índias Orientais.

Naqueles dias, ainda era chamado de Moça Má, mas ele o rebatizou de Pérola Negra depois que Davy Jones o salvou de ser afundado por Lord Cutler Beckett.

Depois disso, ele foi sujeito a todas as turbulências mostradas nos filmes, incluindo sua própria morte (temporária) – e embora se pudesse argumentar que a maioria dos problemas foi auto-infligida, certamente soa como má sorte.

Antiga superstição

A mistura de história do mundo real, superstições míticas e elementos de aventura modernos é uma marca registrada da série Piratas do Caribe e do gênero mais amplo do qual se baseia.

Uma reviravolta interessante decorrente dessa fusão é que, embora a superstição original avise que renomear um navio perturbaria os poderes do mar, foi na verdade a lendária ressurreição do navio de Jack por Davy Jones que inspirou a mudança de apelido em primeiro lugar.

Se isso significa ou não que Jones foi cúmplice da decisão de Jack é deixado para interpretação, mas sugere que, neste caso particular, a tentação do destino de Jack foi possibilitada por poderes maiores do que ele.

Os filmes de Piratas do Caribe estarão em breve disponíveis no Disney+, serviço de streaming que será lançado no Brasil em novembro.