Alerta de spoilers!

Kadaver complementa o catálogo de terror da Netflix. O filme norueguês chegou à plataforma de streaming e tem dado o que falar. Agora vamos mergulhar no seu desfecho, a fim de entendê-lo melhor.

O terror da Netflix justifica seu título ao mostrar um mundo distópico, com a história se passando após um desastre nuclear.

Com isso, todos os personagens, de certa forma, são cadáveres, no sentido original da palavra, que remete à decaimento, o que também remete ao decaimento radioativo. A vida acabou e esse é um trágico pós-vida.


Na trama, os humanos que sobraram após um desastre nuclear são forçados a viverem uma vida desesperada, com a cidade perpetuamente envolta em nuvens sombrias.

Cadáveres expostos são uma visão comum, com todos precisando cometer crimes para sobreviver. Nesse cenário, conhecemos Leonora e Jacob, que lutam para sobreviver junto da filha, Alice.

O fim de Kadaver

No fim do filme, depois de passarem pelo pior que a queda da humanidade tem a oferecer, Leo consegue salvar sua filha e as duas voltam para casa. Eles saem para o exterior do hotel e hesitam em retornar para casa.

O filme termina com as duas olhando para o hotel, que é a coisa mais brilhante nesse cenário desolador.

Kadaver lida fortemente com o poder da imaginação, como uma forma de aguentar toda essa tragédia em volta dos sobreviventes. O próprio teatro no hotel funciona como uma forma de escapar dessa realidade.

Com isso, mesmo após passarem por tudo durante o filme, elas ainda olham para trás, com um olhar diferenciado, mas que luta para aceitar a realidade trágica à volta. Um olhar que anseia para que tudo fique diferente.

A cena final também exprime a dúvida se tudo aquilo valeu a pena. A esperança as levou até ali, mas a triste realidade ainda precisa ser enfrentada, o que fica bem claro no contraste entre o hotel e o restante do mundo à volta.

Kadaver está disponível na Netflix.